Protocolo de Montreal | HCFC's

  • Instrutores do Senai-SP elogiam novo Curso de Boas Práticas em Sistemas de Ar Condicionado do Tipo Janela e Mini-Split
  • Instrutores do Senai-SP elogiam novo Curso de Boas Práticas em Sistemas de Ar Condicionado do Tipo Janela e Mini-Split

    Realizado no âmbito da Etapa 2 do Programa Brasileiro de Eliminação dos HCFCs (PBH), o Curso de Boas Práticas em Sistemas de Ar Condicionado do Tipo Janela e Mini-Split é muito elogiado pelos instrutores da Escola Senai “Oscar Rodrigues Alves”, em São Paulo, que começaram, em novembro de 2017, os treinamentos das primeiras turmas de técnicos. A instituição irá capacitar, com este curso, 900 profissionais até o final de 2018.

     

    “Achei o curso Boas Práticas em Sistemas de Ar Condicionado do tipo Janela e Mini-Split excelente, bem didático, bem elaborado. Ele é muito dinâmico, porque tem uma parte do curso ministrada em sala de aula e outra em oficina, sempre reguladas por intervalos, para que os profissionais que fazem o curso fiquem mais ativos e possam compreender bem todo o conteúdo específico disponibilizado”, afirma Geraldo Arantes Filho, 50 anos, dos quais 25 atuando no Senai-SP como instrutor, sendo um dos mais antigos e prestigiados professores da instituição.

     

    Os professores do Senai-SP são unânimes em falar da qualidade do curso e da boa oportunidade que proporcionam aos alunos. “Gostei muito do curso realizado pelo Governo e pela GIZ, especialmente da metodologia, e de toda a preocupação dos consultores em passar a forma correta de fazer, com as ferramentas corretas”, afirma Jorge Luiz de Carvalho, 39 anos, há 23 anos atuando na área de refrigeração e há dois como instrutor do Senai.

     

    “O curso trabalha muito bem a ideia de que é possível reduzir, e muito, os efeitos dos fluidos refrigerantes na Camada de Ozônio da Terra, eliminando grandes e pequenos vazamentos. Antes, a atenção era só para os grandes vazamentos, especialmente na área comercial. Agora a atenção também vai para os pequenos vazamentos, porque uma somatória de pequenos vazamentos traz alto prejuízo para as empresas e para o meio ambiente”, afirma Paulo Sérgio Germano de Carvalho, 61 anos, instrutor do Senai-SP, engenheiro mecânico e doutor pela Universidade de São Paulo.

     

    Outro doutor pela USP em engenharia mecânica, o colombiano Beethoven Narvaez-Romo, de 29 anos, fala da grande oportunidade que os cursos oferecem para ampliar a conscientização de todo o mercado para a importância da redução de vazamentos de fluidos refrigerantes: “Este curso é também uma oportunidade que temos para ajudar a diminuir os vazamentos e conscientizar a todos, técnicos e empresas, sobre a responsabilidade social de cada um. Com os treinamentos, podemos corrigir hábitos errados, que viram uma cultura, explicando que, fazendo direito da primeira vez, não será necessário refazer. Só um técnico capacitado já fala para outro e para outro e, assim, vamos mudando a cultura de todos”.

     

    Esta mudança cultural já começa a ocorrer na opinião de André Luiz Octaviano, 40 anos, que desde 1998 atua na área como técnico de refrigeração e, há nove anos, atua como instrutor do Senai-SP. “Os administradores de hoje estão de olho nas boas práticas e preocupados com as mudanças de fluidos refrigerantes e em evitar vazamentos. A preocupação dos administradores já começa na instalação dos equipamentos, ainda mais quando há troca de fluidos. Portanto, os técnicos que não se capacitarem, terão cada vez menos espaço neste mercado”, afirma Octaviano.

     

    Cientes dessa demanda, a procura por cursos de climatização tem aumentado. “De cinco a dez anos para cá, aumentou muito o consumo desses aparelhos e a demanda por bons profissionais no mercado. Esse novo curso ajuda muito no desenvolvimento dessas boas práticas, desde a instalação, até a manutenção frequente, evitando gastar mais energia e diminuindo os custos”, afirma Faustino Tudda, 43 anos, bacharel em química e especializado na área. Tudda possui formação técnica pelo próprio Senai-SP e é professor da instituição deste 2007.

     

    Com grande know-how na área, os cursos do Senai-SP atraem alunos de todo o Estado e também de outros estados, segundo os professores. “Temos alunos que são do interior de São Paulo, do Rio de Janeiro, de Minas Gerais, entre outros estados, e todos vêm para nossa escola”, afirma Alan Ferreira da Silva, 33 anos, técnico na área e, atualmente, finalizando o curso de Engenharia Mecânica. Ele participou de todos os cursos organizados pelo Governo na área de refrigeração desde 2005. “Acho que esse novo curso, por ser da área de climatização, será ainda mais procurado, porque é um mercado promissor e a mão de obra ainda é carente de qualificação. A tecnologia avança na área rapidamente e os técnicos precisam se qualificar. É um desafio permanente”, diz.

     

    O técnico Fábio da Silva Veloso, 34 anos, aluno de Engenharia Mecânica e há dois anos atuante como instrutor do Senai, concorda com Alan sobre a atratividade dos cursos: “Com essa oportunidade de capacitação, que está sendo dada pelo Governo e pela GIZ, eles conseguem aprender muito em curto prazo e percebem que precisam continuar se qualificando para poder continuar atuando nesse mercado”, afirma.  

     

    Outro ponto muito importante e frisado pelo coordenador de atividades técnicas, Mauro Airoldi, de 38 anos, dos quais 15 trabalhando no Senai, é que os conhecimentos desse curso são posteriormente repassados para todos os outros cursos da instituição, que é referência no Brasil todo na área de refrigeração e climatização.  Nós enxergamos o mercado como um todo. Essas boas práticas propostas no curso, especialmente as relacionadas com o meio ambiente, não ficam restritas ao curso; elas vão permear todos os programas da escola, desde a aprendizagem industrial, até nossos cursos de pós-graduação. É um tipo de conhecimento e informação que todos os alunos dessa escola vão ter acesso, independentemente de fazer parte desse curso ou não, até pela política de trabalho do Senai. Portanto, a abrangência de todo o trabalho realizado pelo PBH é muito maior”, afirma Airoldi.

     

    Confira esses depoimentos completos e diversos outros, que comentam da qualidade dos conteúdos dos cursos Curso de Boas Práticas em Sistemas de Ar Condicionado do Tipo Janela e Mini-Split, do desenvolvimento do mercado, e das tendências em fluidos refrigerantes, no Facebook: https://www.facebook.com/camadadeozonioerefrigeracaoeclima//

     

Mais notícias